Brasil é 47º em ranking mundial de democracia

O Brasil pode até avançar para o quinto lugar no campeonato da economia mundial no governo Dilma Rousseff, como prevê Luiz Inácio Lula da Silva, mas não chegará a uma posição similar ou próxima a ela no ranking planetário da democracia.

O país está em uma posição muito inferior, e, pior, retrocedendo, ao menos no Índice da Democracia 2010, que acaba de ser divulgado pela Economist Intelligence Unit, o braço de pesquisas da respeitada revista britânica “The Economist”.

O Brasil recuou do 41º lugar em 2008 para o 47º agora (o levantamento é feito a cada dois anos). Caiu de 7,38 pontos para 7,12, em 10 possíveis. Nem aparece como “democracia plena”, o belo rótulo reservado para apenas 26 dos 167 países ranqueados.

O Brasil é rotulado como “democracia imperfeita” ao lado de 52 outros países, entre eles França e Itália, o que mostra o rigor da avaliação.

O item que derruba o Brasil, entre os cinco que o índice leva em conta, é “cultura política”. A nota do país nesse quesito é 4,38.

Um segundo critério ajuda a empurrar o país para baixo: chama-se “participação política”, em que o Brasil leva 5.

Essas duas notas representam brutal contraste com os 9,58 recebidos em “processo eleitoral e pluralismo” e com os 9,12 de “liberdades civis”, os dois quesitos que mais usualmente aparecem na discussão sobre democracia.

Significa, portanto, que o Brasil seria facilmente catalogado como “democracia plena” se o ranking considerasse apenas os aspectos mais convencionais.

Tanto é assim que a primeira do ranking, a Noruega, tem nota geral 9,8, não muito acima do que o Brasil obtém nos quesitos convencionais.

Mas, quando o ranking se sofistica um pouco, verifica-se que a nota norueguesa em “cultura política” é 9,38, quase o dobro da brasileira.

O Brasil perde pontos também em “funcionamento do governo”. Tira 7,5, abaixo dos 8,21 da África do Sul, mas mais que os 7,14 da França e quase empatado com os 7,86 dos Estados Unidos –que, aliás, fica apenas na 16ª posição no ranking geral.

A América Latina só tem dois países entre as “democracias plenas” (Uruguai, 21º, com 8,10, e Costa Rica, 24ª, com 8,04). Dois países latino-americanos estão à frente do Brasil na lista de “democracias imperfeitas”: Chile (34º) e Panamá (46º).

O relatório lamenta que “as liberdades políticas sofreram erosão em muitos países desde a publicação do índice anterior”, em 2008, e culpa, principalmente a crise financeira global, “[por ter] minado a confiança pública no governo e tentado políticos a incomodar a oposição”.

Fonte: http://www.folha.com

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: